BO24Hs

CUIDADOS NECESSÁRIOS COM O GÁS DE COZINHA

O gás de cozinha consiste em um composto a base de mistura gasosa de hidrocarboneto oriundo do petróleo. O produto possui característica inodora, no entanto, a substância mercaptano a base de enxofre é acrescentada no gás, sendo uma medida de alerta à vazamentos.

Presente em diferentes locais e residências, o gás de cozinha pode ser encontrado tanto interior como exterior do ambiente. Por apresentar alta densidade, o botijão de gás pode ocasionar explosões se houver vazamentos, diante disso é necessário adotar alguns cuidados de segurança. 

Avaliar as condições do gás de cozinha

Ao comprar o botijão de gás é de extrema importância avaliar se o produto está com lacre correto, sem violação, furos e se a alça não está solta ou quebrada. O comprador deve evitar produtos amassados e enferrujados.
Instalação segura do botijão de gás

Para garantir uma instalação segura do botijão de gás, alguns critérios como o uso de ferramentas adequadas e a escolha do local de aplicação devem ser observados. Antes de finalizar o procedimento é necessário avaliar se o botijão está com vazamento, nesse caso é utilizado um truque, em que basta aplicar uma espuma de sabão na válvula, se o produto borbulhar sinal que há vazamento.

O botijão de gás deve ser instalado em um local arejado, a fim de evitar acúmulo de gás em caso de vazamento. Recomenda-se evitar a aplicação do gás próximo a esgotos, ralos, armários com produtos inflamáveis como venenos, aerossóis, querosene, dentre outros.

Cuidados com a mangueira e regulador de pressão

O gás de cozinha possui uma mangueira de pressão que deve apresentar no mínimo 80 cm, envolta de material de PVC transparente e com o selo de aprovação pelo INMETRO. O produto possui prazo de validade de cinco anos, sendo necessário avaliar o posicionamento de instalação, pois o produto não pode ser aplicado atrás do fogão, para evitar influência do calor e ocasionar vazamentos.
Evitar acidentes com gás de cozinha

Além dos cuidados relacionados à instalação do botijão de gás, é necessário aderir os seguintes detalhes caso sinta o cheiro de vazamento:

Não acenda fósforos ou luz;
Evite usar telefone e celular;
Não ligar eletrônicos ou eletrodomésticos;
Se possível desligar os registros gerais dos ambientes;
Entrar em contanto com órgão competente.

Em caso de problemas com gás de cozinha, é sempre prudente ter a mão um extintor de incêndio classe BC para combater fogos.

Max Panaggio
Brigadista FASUL

CLASSES DE INCÊNDIO E SEUS EXTINTORES




Nós já sabemos que os materiais combustíveis possuem características diferentes uns dos outros, e que, portanto, queimam de maneiras distintas. Conforme o tipo de material gerador do fogo, podem existir até cinco tipos diferentes de classes de incêndios. Tão importante quanto saber identificá-las é saber quais os motivos que levam à esses incêndios e, principalmente, quais tipos de extintores são recomendados, para cada um deles.

Começaremos pela classe de fogo “A”, que é determinada por incêndios em materiais sólidos combustíveis, que queimam em profundidade e extensão, deixando resíduos, como o papel, tecido, algodão, borracha e a madeira, entre outros. Para combater esse tipo de fogo, o agente extintor mais adequado é a água, que tem a capacidade de penetrar e resfriar o ambiente. Para isso, deve-se fazer uso dos extintores de incêndio portáteis carregados com água.

Os fogos de classe “B” enquadram os materiais em líquidos inflamáveis, que também queimam em extensão (somente em superfícies), mas que, normalmente, não deixam resíduos. Fazem parte desse grupo o óleo, a gasolina, o querosene, graxas, tintas e alcoóis, em geral. Nestes casos o incêndio pode ser combatido com extintores de pó químico seco BC ou ABC, extintores de gás carbônico (CO2) e ainda com extintores de espuma mecânica, caso o incêndio nao seja tridimensional (ex: liquido sob pressão, gas, derramamento em gravidade, etc).


Já os pertencentes à classe de fogos conhecida com “C” englobam incêndios em equipamentos elétricos energizados, como máquinas elétricas, quadros de força, transformadores, computadores ou qualquer que seja o material de uso em aplicações de energia elétrica. Tanto o extintor de pó químico seco a base de bicarbonato de sódio ou potássio, (BC) ou fosfato monoamonico (ABC), quando o extintor de CO2 sao adequados para combater este tipo de incêndio.

Constituído de metais pirofóricos, que inflamam facilmente, quando fundidos, divididos ou em forma de lâminas, como o potássio, o magnésio, o titânio, o litio e o sódio, entre outros, os fogos de classe “D” tendem a apresentar comportamento diferente dos demais fogos, uma vez que os materiais que os provocam formam uma espécie de reação em cadeia durante a combustão, dificultando a sua extinção por métodos convencionais. Para estes riscos devem ser utilizados extintores especiais carregados com po quimico classe D adequado para cada tipo de metal.

Por último, os incêndios de classe “K” representam uma classificação recente de tipos de fogos, mas, nem por isso, requerem menos atenção. Fazem menção aos incêndios em cozinhas industriais e comerciais, que envolvem produtos e meios de cozinhar, como banha gordura e óleo) e são uma das principais causas de danos materiais e vítimas, fatais ou não, por serem um dos tipos mais resistentes de fogos já registrados.

Uma unidade extintora portátil de classe K, para combate a incêndios em cozinhas industriais, é o equipamento mais indicado, nessas ocasiões ou ainda um sistema fixo Veloz de agente saponificante.

Max Panaggio
Brigadista FASUL
www.BombeiroCivil.k6.com.br

Qual a função do bombeiro civil


São Bombeiros que atuam na prevenção e no combate ao Incêndio em empresas, em hospitais, nas indústrias, nas instalações portuárias e aeroportuárias, em reservas florestais, nos municípios ou como voluntários. A profissão está devidamente regulamentada pela Lei Federal nº 11.901 de 13/01/2009. 


Desde a publicação, passou a ser considerado BOMBEIRO CIVIL o profissional que habilitado "exerça, em caráter habitual, função remunerada e exclusiva de prevenção e combate a incêndio". 

Os bombeiros civis podem ser contratados pela iniciativa pública ou privados, sociedades de economia mista ou empresas especializadas na área. Também podem atuar em conjunto com o Corpo de Bombeiros Militar. Este é o ponto mais importante da aprovação desta lei. 

É pertinente a criação da categoria principalmente quando a lei submete à área militar a competência em áreas de situação de risco e acidentes mais graves. “Os militares são chamados a tomar a frente no processo”. 

Espalhados em hospitais, prédios públicos e comerciais, os Bombeiros Civis são treinados para prevenir incêndios e comandar os procedimentos iniciais nos momentos de emergência, como isolamento da área e atendimentos às vítimas. 

Na Classificação, Bombeiros e salva-vidas, está na mesma família e entre suas responsabilidades estão salvamentos terrestres, aquáticos e em altura; proteção de pessoas e patrimônios de incêndios, explosões, vazamentos, afogamentos ou qualquer outra situação de emergência, com o objetivo de salvar e resgatar vidas; realização de primeiros socorros e de cursos e campanhas educativas, formando e treinando equipes, brigadas e corpo voluntário de emergência. 

Missão - 
Proteger a vida, o patrimônio e o meio ambiente para o bem estar da sociedade. 

Hierarquia – Traduzida como ordenação da autoridade em diferentes níveis. É alicerçada na confiança, na lealdade e no respeito. 

Disciplina – Regime consistente que leva a liberdade de ação bombeiro militar em seguir os ensinamentos de boa conduta, através da obediência às leis, regulamentos, normas sociais e às ordens superiores. 

Ética – É expressa pela observação aos princípios constitucionais que regem o serviço público. Traduz-se na coerência entre responsabilidade nas ações praticadas por todo bombeiro civil e as leis vigentes. 

Responsabilidade – Define-se pela relação ética e transparente da Corporação com todos os públicos com os quais ela se relaciona, caracterizando-se também por estabelecer metas compatíveis com o desenvolvimento sustentável da sociedade. 

Coragem e Resistência – Aptidão para suportar fadiga, escassez e esforço físico prolongado, forjando o Bombeiro Civil ao cumprimento de missões, fazendo-o superar o medo, a dor, o perigo, a incerteza e/ou a intimidação. 

Aprimoramento Técnico-Profissional – A busca do conhecimento do bombeiro militar nos cursos, estágios e instruções, no auto-aperfeiçoamento, para a constante capacitação profissional e o bom desempenho das atividades funcionais.

Max Panaggio
Brigadista FASUL
www.BombeiroCivil.k6.com.br

Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos

LEI Nº 11.901, DE 12 DE JANEIRO DE 2009.


Dispõe sobre a profissão de Bombeiro Civil e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: 

Art. 1o O exercício da profissão de Bombeiro Civil reger-se-á pelo disposto nesta Lei. 

Art. 2o Considera-se Bombeiro Civil aquele que, habilitado nos termos desta Lei, exerça, em caráter habitual, função remunerada e exclusiva de prevenção e combate a incêndio, como empregado contratado diretamente por empresas privadas ou públicas, sociedades de economia mista, ou empresas especializadas em prestação de serviços de prevenção e combate a incêndio. 

§ 1o (VETADO) 

§ 2o No atendimento a sinistros em que atuem, em conjunto, os Bombeiros Civis e o Corpo de Bombeiros Militar, a coordenação e a direção das ações caberão, com exclusividade e em qualquer hipótese, à corporação militar. 

Art. 3o (VETADO) 

Art. 4o As funções de Bombeiro Civil são assim classificadas: 

I - Bombeiro Civil, nível básico, combatente direto ou não do fogo; 

II - Bombeiro Civil Líder, o formado como técnico em prevenção e combate a incêndio, em nível de ensino médio, comandante de guarnição em seu horário de trabalho; 

III - Bombeiro Civil Mestre, o formado em engenharia com especialização em prevenção e combate a incêndio, responsável pelo Departamento de Prevenção e Combate a Incêndio. 

Art. 5o A jornada do Bombeiro Civil é de 12 (doze) horas de trabalho por 36 (trinta e seis) horas de descanso, num total de 36 (trinta e seis) horas semanais. 

Art. 6o É assegurado ao Bombeiro Civil: 

I - uniforme especial a expensas do empregador; 

II - seguro de vida em grupo, estipulado pelo empregador; 

III - adicional de periculosidade de 30% (trinta por cento) do salário mensal sem os acréscimos resultantes de gratificações, prêmios ou participações nos lucros da empresa; 

IV - o direito à reciclagem periódica. 

Art. 7o (VETADO) 

Art. 8o As empresas especializadas e os cursos de formação de Bombeiro Civil, bem como os cursos técnicos de segundo grau de prevenção e combate a incêndio que infringirem as disposições desta Lei, ficarão sujeitos às seguintes penalidades: 

I - advertência; 

II - (VETADO) 

III - proibição temporária de funcionamento; 

IV - cancelamento da autorização e registro para funcionar. 

Art. 9o As empresas e demais entidades que se utilizem do serviço de Bombeiro Civil poderão firmar convênios com os Corpos de Bombeiros Militares dos Estados, dos Territórios e do Distrito Federal, para assistência técnica a seus profissionais. 

Art. 10. (VETADO) 

Art. 11. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. 

Brasília, 12 de janeiro de 2009

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Tarso Genro
Carlos Lupi
João Bernardo de Azevedo Bringel
José Antonio Dias Toffoli
LEI Nº 15.180, DE 23 DE OUTUBRO DE 2013

Obriga os estabelecimentos civis destinados à formação de bombeiro civil a obter prévia habilitação pelo Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei: 

Artigo 1º - O Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo será o órgão responsável por promover o credenciamento de estabelecimentos civis destinados à formação do Bombeiro Civil. Parágrafo único - O credenciamento se dará após prévia demonstração do atendimento das normas técnicas quanto aos respectivos currículos, estruturas físicas e condições de segurança. 

Artigo 2º - O credenciamento de instrutores e avaliadores também é de responsabilidade do Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado, mediante prévia avaliação. 

Artigo 3º - As condições de credenciamento, o período de validade e os casos de cassação do credenciamento serão regulamentados pelo Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado. 

Artigo 4º - As despesas decorrentes da aplicação desta lei serão atendidas com recursos próprios do orçamento vigente, suplementados se necessário. 

Artigo 5º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. Palácio dos Bandeirantes, 23 de outubro de 2013. 

GERALDO ALCKMIN 
Fernando Grella Vieira 
Secretário da Segurança Pública 
Edson Aparecido dos Santos 
Secretário-Chefe da Casa Civil 

Publicada na Assessoria Técnico-Legislativa, 
aos 23 de outubro de 2013.